Início

Sobre

Áudios

Vídeos

Contato

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Coisas da Vida - A saúde vai bem, obrigado !

Eu estava com uma puta dor de cabeça, era enxaqueca mesmo, o pior que eu não tinha bebido, não havia festejado nada, era só preocupação com as dividas, é, para quem não tem esse problema e não sabe, isso causa dor de cabeça, a coisa é terrível, dói tanto que dá enjoo,você vomita sem parar, qualquer cheiro "embrulha" o estomago, não consegue comer, a luminosidade "embrulha" o estomago e parece que a cabeça dói mais, você não  consegue pensar, não consegue falar e nem raciocinar, só quer dormir prá ver se a dor vai prá puta que pariu, entende como é? Quem tem enxaqueca sabe como é.  
Fui lá naquela caixinha que fica em um canto, em um armário e fui pegar um comprimido, quando pequei o comprimido da cartela ele olhou prá mim e disse:

- Cacete, você de novo aqui? A cartela já esta no fim, nunca vi alguém tomar tantos comprimidos como você toma!

E nem vai ver! Vai te catar e cuida da sua vida!

Peguei o comprimido e mandei prá dentro.
Você já percebeu que quando as coisas não estão andando do jeito que você planejou, tudo parece conspirar contra?

Fiquei doente e eu não tinha mais convênio médico, havia perdido emprego, ai quando você vê que a coisa não tem mais jeito e não dá para aguentar, nesse momento você reúne todas as forças, toma coragem e vai até um posto de atendimento publico ou hospital publico.
Houve um período em que eu tinha convenio médico, não era aquele convênio, mas qualquer coisa é melhor que esse atendimento publico, que trata o paciente como uma coisa, lá no convênio eu sabia que seria atendido e que iria sair vivo .

A algum tempo atrás eu fiquei mal, você sabe como é né, estava sem emprego, quando você fica a caça de oportunidades, corre prá lá e prá cá, vê que os “amigos” sumiram, você esta sem grana, vem às preocupações, você vai ficando deprimido, ai, se você espeta um espinho na mão, o efeito, os sintomas é de um acidente grave.
É como se tivesse correndo o risco de amputar o braço, tudo fica maior, você fica mais sensível e chega até a ponto de chorar ao ouvir uma musica do calcinha preta.
Pois bem, eu não cheguei assim ao fundo do poço, mas estava mal, peguei uma coisa que não era gripe comum nem era a tal dengue, sei lá que merda que era, eu acho que o vírus da gripe pouca grana, sem amigos, sem trabalho e que Deus nos ajude, 
No começo para não ir para o matadouro tomei todo tipo de comprimido que achei naquelas caixinhas que a gente costuma ter em casa e coitada dela, ultimamente andava vazia.
Eu estava com uma febre que era maior à noite, e eu vou e tomo um relaxante muscular, ia dormir e acordava todo suado, suava até no saco, melhorava um pouco, vinha um pouco de febre e vem um comprimido de depirona, e a coisa não passava, como vê decorei até o nome dos comprimidos.
É eu estava mal, comia pouco, eu evitava ir ao medico no atendimento publico, mas, depois de dias assim não pude mais adiar, tinha que ir ao um atendimento publico, fazer o que, se Deus é por nós quem será contra nós, que ele me ajude.
Lá fui eu, e ainda de ônibus, fui com sacrifício, tenso, preocupado, mas não tinha como adiar mais , eu já estava no “bico do corvo” como dizem, o pior que a febre e o mal estar que eu sentia aconteceu bem no período do auge da da dengue.


Cheguei no posto de atendimento, paro na porta e olho para dentro, lotado como sempre, peguei uma senha e me sentei, nessas situações você começa a observar os outros pacientes que estão na espera de atendimento, isso é normal, não era muito não, ali havia muitas crianças encostadas nos ombros da mãe reclamando de mal estar e com sintomas de febre, o que é bom é que essas pessoas com febres são atendidas mais rápido, tipo, duas a três horas depois.
O pavor de estar naquele meio eram das tossidas, tosse um daqui e outro mais dali e outro acolá e o desespero da turma, uns já com máscara, outros enfiando a cabeça por dentro da camisa tentando evitar respirar o ar que esta circulando, é aquela coisa, você chega lá com um treco qualquer e ganhar de brinde uma tossida na nuca e milhares de vírus para você levar para casa distribuir para a família e os amigos.

Tinha uma senhora coitadinha, estava com uma tosse desgraçada, eu ali do lado apavorado e a velhinha tossindo, ofereci uma bala, mas, não adiantou nada ela na primeira tossida arremessou a bala a uns cinco metros de distancia, o pior é que ela tossia e peidava junto, coitadinha é que com a idade avançada e a falta de dente a gengiva dela funcionou como uma rampa de esqui e lá se foi a bala, em relação ao peido que ela dava junto com a tosse, prefiro não fazer comentários a respeito, mas acredito que as pregas frouxas foram as responsáveis.
Depois de mais de duas horas esperando, vendo desfile de vírus, bactérias, chegou a minha vez, a atendente me encaminhou ao corredor e pediu para eu esperar em frente a uma sala, provavelmente a sala do médico que iria me atender, na cadeira ao meu lado uma mãe com os três filhinhos e todos com febre, formando uma escadinha, tentando ser gentil fiz agrado ao menor, deveria ter uns três anos, eu não aguentava mais ouvir ele chorar e berrar, quando fui brincar com ele, recebi uma tossida na cara, daquelas parecida com uma fina garoa,veio algo junto no espirro,algo pegajoso,digamos catarro... disfarcei levantei fui até o banheiro e apavorado lavei o rosto com sabão liquido, e se o garoto tivesse com algum tipo de vírus que pudesse ser transmitido pelo ar? O que seria de mim?Sem emprego e doente, isso não poderia acontecer.



Voltei como se nada tivesse acontecido e ali não estava mais aquela “linda” família, esperei mais um pouco o medico me chamou.
Entrei na sala, sentei em uma cadeira em frente a mesa aonde estava o médico, ele começou as perguntas e foi mais ou menos assim:

Doutor – O que você tem?

Eu – Um pouco de febre, estou suando muito a noite.

Doutor –Abre a boca!

Eu –Hááááááá´... (ele olhou)

Doutor - Já tomou benzetasil ?

Eu –Quando eu era criança!

Doutor –Aqui esta a receita, tome este comprimido de oito em oito horas e vai à sala ao lado e tome esta injeção.
Bem, isso durou exatamente três min. e 25 seg, entrei para o guiness o livro dos recordes, como um dos atendimentos mais rápidos do mundo, e lá fui eu, estava tão mal que qualquer coisa era bem vida, fui para a sala do lado para tomar a tal de bezetasil.
Resultado de imagem para injeção engraçado
Na sala uma senhora gorda, imensa pegou meu papel e disse vai ali atrás do biombo e aguarde, e lá fui eu, não tenho medo de injeção, mas o berreiro de crianças, aquele cheiro de álcool no ar
estava me deixando apreensivo.
Ela entra com um vidrinho e uma agulha que mais parecia aquele saco de confeiteiro, conhece, aquele saco comprido com um treco na ponta para fazer desenho em bolos, gelei, ela pega a agulha com um liquido, espeta num vidro pequeno que parecia estar cheio de areia, essa era assustadora bezetasil, era um pó dissolvido em um liquido que era para ser injetado na sua bunda.
Discretamente abaixei uma parte da calça, orei para Deus, senti aquele algodão molhado
no álcool para esterilização e sabia que o momento era chegado, ela disse:
Relaxa as nádegas que não vai doer!
Relaxei, e puta que pariu, aquilo queimava, parecia que ela estava injetando enxofre incandescente na minha bunda, como ardia, era o beijo do capeta nas nádegas.
Aquelas pedras do bezetasil não estavam totalmente dissolvidas e eu sentia aquilo entrando na pele, porra como dói isso, levou algum segundo que parecia uma eternidade, mas até que enfim acabou a tortura, levantei a calça agradeci, coisa que nem deveria fazer, o que ela merecia era uma porrada, sorrindo ela ainda perguntou se doeu.

Sai da sala mancando e na saída havia uma outra criança chorando e aguardando para ser atendida pela enfermeira, a mãe me informou que a infeliz iria também tomar a tal de injeção de bezetasil, aquela que serve prá tudo. Funciona assim, você tem dúvidas, bezetasil nele, e eu para acalmar a pobre criatura em prantos disse:

-É igual a do “Zé gotinha!”!

Dali sai rapidinho, a coitadinha vai me odiar pelo resto da sua existência!!!