Início

Sobre

Áudios

Vídeos

Contato

sábado, 30 de maio de 2015

Coisas da Vida - Animais de estimação !



Estava brincando com a minha cachorrinha a chiquinha (foto original), quando ela vira prá mim e pergunta :

- Dió, antes de eu vir para cá, você já teve algum animalzinho de estimação?

Depois de pensar um pouco respondi :

- Tive sim Chiquinha, foram alguns ratinhos que a Daisy (minha filha) criava, ela tinha uns 10 anos, uma outra hora te conto a história com mais detalhes, agora vou escrever um pouco!
Saindo dali, decidir dar uma chegada até o pc, o assunto em pauta não poderia ser melhor, animais de estimação!
Você já reparou que todas as crianças em idade pré adolescente, em algum momento cisma em querer algum animal de estimação, isso aconteceu comigo e com você?.
Relembrando a infância dos meus filhos Douglas e Daisy, cheguei  ao período :  Mamãe, eu quero que quero um bichinho de estimação.
Ele com 12 anos e ela com 10 anos, ela a Daisy me "torrava" o saco, e era todos os dias que ela pedia o tal do animalzinho, dizia que iria cuidar, que iria limpar a sujeira,que iria alimentar e no fundo o resultado sempre é o mesmo, sobra sempre prá gente cuidar.
Gato,  eu nunca tive gostei muito não, não sei por que, nunca tive muita simpatia por eles, cachorro eu achava que ocupava espaço e dava muito trabalho, se dependesse da minha mulher abriríamos um canil, por isso era melhor pensar bem, teria que ser um animal de pequeno porte.
Pois bem, em um belo dia decidi levar a minha filha a um pet shopping para ela escolher um animalzinho de estimação, e em vez dela escolher um peixinho, quem sabe um passarinho, essas coisas normais, não, ela foi logo escolher um ratinho.
Como pai e não querendo contrariar a "filhotinha", aceitei, e o pior é que para meu filho não ficar triste, comprei um prá ele também, eles formaram um casalzinho, como moradia comprei um aquário, esses aquários quadrados aonde se colocam peixes, como o aquário era liso ficava difícil a fuga dos ratos, e era uma moradia bem quentinha.
Certos detalhes da vida dos ratos, vim a descobrir com a convivências com eles, meus filhos chamavam eles de "donguinhos", tão meigos que eram...
Uma das coisas que vim a descobrir depois, é que a urina dos "donguinhos" fedia tanto que chegava a arder o nariz, imagine estes banheiros de botecos sem água, o cheiro era o mesmo, vai mijar fedido assim na casa do caralho.
E a reprodução deles então, era assustadora, nascia uma ninhada atrás da outra e cada ninhada com 6 ou 7 bichinhos, quando não estavam comendo ou dormindo, estavam trepando.

O problema em criar ratos, é que geralmente você deixa eles juntos, o resultado disso, é que depois de certo período de crescimento, eles já estão preparados para a reprodução e como ficavam todos amontoados, num "roça","roça" danado, o instinto fala mais alto e é um tal de um "comer" o outro, o aquário vira um verdadeira puteiro.
O aquário eu deixava no canto da casa, como a população aumentava muito rápido, os machos saiam na porrada, para mostrar força e liderança no grupo e para aumentar o seu harém.
Como a minha filha tinha o seu rato predileto e meu filho o dele, quando saia estes "quebra pau" dentro do aquário, meu filho Douglas , dizia ter a solução para acabar com a briga entre os ratos, ele se sentava em cima do aquário e soltava um largo, barulhento e profundo peido, era um daqueles peidos que vinham com "sustância".
Pensando bem, até hoje não entendi o que fazia os ratos parar de brigar, se o barulho ou o cheiro de peido, só sei que os bichos estancavam hipnotizados e em choque, "tadinho" dos bichinhos.
A minha filha por sua vez, gostava de andar com o donguinho dela na mão, e se exibir para as amiguinhas, umas das exibições era fazer do donguinho, um picotador de papel,ela pegava o infeliz, colocava um pedaço de papel na boca, ela puxava o papel e ele ia mordendo e deixando marcas dos dentes em foma de picotes, seria um bom profissional se trabalhasse em gráfica.
Muitas vezes ela colocava ele no chão e ele não saia do lugar, a tática que ela usava para fazer ele correr era, ela colocava ele no chão, com dois dedos ela apertava as bolas do bicho por trás, e ainda por cima dizia:

- Corre donguinho, corre donguinho!!!
Eu que tenho saco posso dizer, isso dói, o pior é que ela fazia aquilo com a maior naturalidade, eu fico imaginando o terror que o bichinho sentia e o que "pensavam" ao avistar ela se aproximando do aquário, eu até conseguia ler os pensamentos do coitado :

- Puta que pariu, lá vem ela de novo para apertar meu saco só pra ver eu correr!

O tempo passou, eles cresceram, os donguinhos foram dessa prá outra, nunca mais pegamos animais deste porte.
A Chiquinha, a minha cachorrinha, eu peguei ela da rua, o pior que ela veio prenha e eu não sabia, eu achava que ela estava engordando porque estava se alimentando melhor, a "vaca" dessa cadela deu quem nem louca enquanto vivia na rua, e o resultado foi esse, ela teve quatro filhotes, dois de cada "pai", pode isso? Isso aconteceu mesmo, dois morreram e outros dois eu fiz doação.
Só pra sacanear faço a Chiquinha pagar as despesas dela aqui em casa, participando como "atriz" em meus videos, para os cachorros menos avisados, ela só sai acompanhada para passear, vai que tem ela uma recaída e não consegue segurar a perseguida!
Pensando bem, quem sabe eu não faço um filme pornô com ela, experiência ela tem, e o povo gosta de desgraça e de uma boa sacanagem, isso da audiência é ou não é?
Antes de ir quero deixar esta para você pensar :

sábado, 2 de maio de 2015

Coisas da Vida - Quem disse isso?


Eu estava no quintal conversando com um trevo de quatro folhas que fica em um vaso, ele me disse das dificuldades em sobreviver sem que seja arrancado e colocado em carteiras ou bolsas como símbolo de boa sorte.
Depois de longo papo eu entrei e decidi escrever um pouco a respeito do assunto, quantas vezes na vida nos deparamos com as duvidas, quem disse isso? Como acreditar em tal solução, de onde veio essa idéia?
As origens das crendices e superstições são tão antigas quanto a própria humanidade. No Brasil, chegaram com os portugueses, mesclaram-se às crenças dos indígenas e posteriormente a dos africanos escravos, e com o decorrer do tempo foram incorporadas à cultura brasileira juntamente com as crenças de outros imigrantes que aqui aportaram.
Essas perguntas fazem parte do crescimento e desenvolvimento do ser, quando temos situações que desconhecemos como resolver, uma das saídas é essa.
O perigo é de algum lado aparecer um “gênio”, um ser “iluminado” sugerindo “soluções” bizarras e sem resultados, colocando você em situações constrangedoras.
Junto com essas receitas vão entrar também as superstições, superstição é a crença sobre relações de causa e efeito que não se adequam à lógica formal, ou seja, são contrárias à racionalidade.

Vou dar um exemplo :
 -Passar por debaixo da escada dá azar, quem disse isso? O azar que você poderá ter é se a escada cair na sua cabeça, ou se você precisar subir em local alto e não tiver uma igual.
-Quebrar um espelho sete anos de azar, se fosse assim não existiriam fabricas de espelhos, imaginem o que devem quebram de espelhos na linha de produção de uma fabrica.
-Gato preto da azar, quem disse isso? Coitado do gato, nasceu preto já esta condenado a ser um dos símbolos de azar.
- Para o dia ser bom, é acordar e pisar com o pé direito. E esse absurdo então, e se o cara não tem o pé ou a perna direita como fazer nessa situação?
-Pé de coelho da sorte! Coitado do infeliz do coelho, foi morto, arrancaram o pé dele e ainda dizem por ai que isso dá sorte, é uma imbecilidade sem tamanho, e aquele outro que diz :
-Ferradura da sorte! Quem disse isso? Se ferradura desse sorte, burro não puxava carroça e o ferreiro seria feliz eternamente.

E as receitas populares então! Para acabar com o soluço nas crianças, é só colocar um pedacinho de linha vermelha na testa da criança, e geralmente esse pedacinho de linha é embolado com cuspe, e ai será que o soluço vai passar?
Quem inventou isso?
Uma outra receita conhecida é a da vassoura, você recebe uma visita indesejada em sua casa e você quer que ela vá logo embora logo, é só colocar uma vassoura atrás da porta, você acham mesmo que isso tem resultado?
Seguindo esse raciocínio, se assim pode-se chamar, existem centenas, milhares dessas receitas as quais em algum momento no decorrer de nossas vidas nos deparamos com elas.
Para o cabelos crescerem, só cortar o cabelo em lua cheia. Quem disse isso? O que tem haver a lua com os cabelos, sabemos que a lua tem influencia sobre as marés, resultado da ação gravitacional, mas influencia sobre os cabelos, isso é coisa de “astronauta” careca.
Se fosse assim, carecas dormiriam ao relento em noites de lua cheia, ai pela manhã teriam a cabeça repleta de cabelos.
Outra coisa bizarra é não poder comer carne na semana santa, quem disse isso? O pecado é passar fome, não ter o que comer na semana santa, afinal Deus quer ver seus filhos felizes, bem alimentados, ele quer que você ele seja uma boa pessoa, com certeza Deus tem mais com que se preocupar, do que se comer ou não carne na semana santa.
E partindo destes raciocínios “ilógicos” vem :
 -Você tem espinhas é por que esta com o sangue sujo! Sangue sujo? De onde partiu essa idéia?
Uma outra boa é :
- Se você acabar de comer e olhar para o espelho a boca fica torta! A boca vai ficar torta se você não tiver o que comer e ficar mascando a gengiva.
Sempre aparece alguém como uma dessas receitas novas, mas quando você faz a pergunta :
- Quem disse isso?
Com certeza você não tem a resposta, no máximo irão dizer :
- Há...eu ouvi falar!

Liguei pra o João para saber a opinião dele a respeito desse negócio de superstição e ele disse :

Cara, eu não acredito nessas coisas, isso é coisa de povo ignorante, mas,  tem um ditado que diz :
- Eu não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem.
Agora preciso desligar porque esta na hora de meu banho de ervas com sal grosso pra tirar o mal olhado, depois preciso defumar a casa para afastar as coisas ruins.

Resultado de imagem para defumando  humor