Início

Sobre

Áudios

Vídeos

Contato

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Coisas da vida - Adote um pequeno país carente !


Eu estava olhando a minha pasta de contas a pagar, quando uma das contas olhou prá mim e disse :

- Quem vai pagar essa conta ?

Eu respondi :

- Eu vou pagar, pelo menos vou tentar, porque pergunta?

Ela disse :

- Não Dió, eu não estou me referindo as suas dividas mas sim a essa quebradeira dos países europeus, os caras andam ladeira abaixo e o que dizer então da situação da economia americana?
Fiquei por alguns minutos ali em silêncio pensando no que a conta havia dito, guardei meus papéis  e resolvi escrever um pouco.
Você já parou para pensar nessa crise que abala a Europa e a América? Quem diria hein, os pequenos burgueses chafurdando na merda!
A algum tempo atrás a grande maioria desses países repudiavam em cima da gente, os selvagens da América do sul, os primitivos e desorganizados indianos os esquisitos chineses, sem falar nos negros da Africa do sul, e agora parece que a mesa virou.
Os pequenos burgueses passando a sacolinha e pedindo dinheiro e ajuda para nós os grande emergentes, nem o mais renomado guru, economista poderia prever que isso fosse possível acontecer, mas esta acontecendo.
Amigos, quem vai colaborar? vamos passar a sacolinha, a Irlanda diz que quem deve colaborar com isso são os países emergentes comprando títulos desses países falidos e quebrados, mas quem é o louco que vai gastar dinheiro comprando esses títulos "podres"? Será que se a situação fosse inversa eles, os pequenos burgueses fariam isso?
Você se lembra o que o FMI fazia com o Brasil? Cobrava, exigia, chegavam ao Brasil como o seu Barriga (do Chaves), chega a vila prá cobrar o aluguel, sabe como é né.
A Espanha anda mal das pernas, essa mesma Espanha que não permite que um cidadão brasileiro entre em seu país, eles não querem nem saber, ou não queriam, o Brasileiro chega e é barrado no aeroporto e de lá já despachado de volta prá casa, para eles todo o brasileiro ou é traficantes ou é prostituta.
Agora por necessidade estão abrindo as pernas para os turistas brasileiros, o brasileiro gasta muito lá fora, e vão dizer:

- Pode entrar meu bem, se você tem dinheiro no bolso, fique a vontade e aproveite!
Agora eles querem o nosso dinheiro, e por dinheiro eles vão fingir que são bonzinhos e nos amam.
E a Itália daquele ex-primeiro ministro galã, que em uma entrevista chamou seu pais de um pais de merda, cuspiu no prato que comeu, é, a Itália esta em coma induzido na U.T.I, vendo tudo isso acontecendo, cada vez mais acredito que chegou a nossa vez de dar o troco.
Até no reino do faz de contas aonde os reis, as rainhas, príncipes e princesas que eram felizes para sempre, agora nem tanto, já estão preocupados com a crisea,cho que vai acabar a moleza e a mordomia da realeza.
Estou falando da Inglaterra, até tu brutus vai ter que mudar o cardápio real, os tradicionais brioches reais serão substituídos pelo nossos humildes e tradicionais bolinhos de fubá, e olha lá!

Diante disso, estou aqui lançando a campanha :

"Adote um pequeno carente!"



Iremos nós, os ex-selvagens do terceiro mundo ajudar os países endividados e quebrados que sempre repudiaram em cima da gente a sair da merda em que se enfiaram, o que você acha?

Liguei pro João pra saber a opinião dele sobre isso e ele me respondeu com essas palavras :

- Que venham os famintos e oprimidos, que é chegada a nossa hora, que bebam em nossas taças e comam em nossos pratos, somos benevolentes com nossos irmãozinhos menos afortunados!!!

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Coisas da Vida - Para morrer basta estar vivo !


Eu estava fuçando em uma gaveta quando uma foto antiga caiu, nela estava gravado a imagem de meu tio que já "partiu" para o andar de cima, "bateu as botas" a muito tempo, ele olhou prá mim e disse :

- Sabe Dió, seja feliz, sorria, ame, divirta-se por que no fim do filme a gente morre! 

Depois disso me despedi dele e guardei a foto na gaveta, fiquei ali por algum tempo pensando no que ele havia me dito e decidi escrever um pouco.

É interessante como as pessoas tem um certo receio de falar sobre a morte, isso deveria ser uma coisa natural, se desde a infância os pais fossem preparando as crianças para conviver com ela, e tratando do assunto de uma forma natural, com certeza ou nem tanto, as perdas seriam tratadas de uma outra forma.
Sei que toda perda tem suas consequências, boas ou más, as más é a saudade que quem partiu vai deixar, as boas, é que se for a morte de um parente rico, mão de vaca, prepotente, sem os herdeiros diretos, e que se por um acaso o beneficiário mais próximos da herança for você, ai sim a festa esta garantida, e só pra sacanear, a festa vai ser na casa do recém falecido.
O mais gostoso em tudo isso, é que herança recebida assim, da gosto de gastar, é de deixar o falecido se revirando na cova.
A gente acompanha nos noticiários, a morte prematura de "celebridades", de gente "famosa", a de pessoas que a gente acreditava ser "imortal".
Essas noticias vem em doses homeopáticas, hora um, hora outro bate a as botas, vai pro limbo, e isso faz com que tenhamos alguns segundos de reflexão sobre o assunto, mas isso passa e tudo volta a ser como antes.
Eu tinha um primo "hoje ele vive no andar de cima", esse primo tinha medo, pavor de ver defuntos em velórios, quando a minha avó morreu, isso a décadas atrás, ele veio ao velório, mas, não entrou pra ver, morria de medo.
Como a vida é estranha, após alguns anos foi a vez dele, vitima de um ataque cardíaco fulminante, ele se transformou em um "defunto" do tipo daqueles que ele tinha medo de ver, é estranho ter medo de algo em que nos iremos nos transformar no futuro.
Estaremos ali do mesmo jeito, será que não é chegada a hora de se encarar isso com respeito sim, e com um pouco mais de naturalidade?
Liguei pro João pra saber a opinião dele a respeito deste assunto sobre a morte e tabus criados em cima disso, ele havia saído, mas deixou um recado em sua secretaria eletrônica:

- Fui em um velório, após o sinal, deixe o seu recado, o mais rápido possível eu retorno, não sou muito chegado a velórios!

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Coisas da vida - Banzai,viva o herói Japonês!

Fui até a feira comer um pastel e fiquei observando o Tanaka, ele é o dono da barraca de pastel, fiquei ali comendo e observando ele fritando os pastéis, quando ele olha prá mim e diz:

Dió, não sei ainda como não criaram um Super herói Pasteleiro?
Depois de ouvir isso e comer meus pasteis, como é bom pasteis de feira, fui prá casa, liguei a tv, e vi a chamada de uma série de desenhos japonês.
Uma coisa ali me deixou curioso, de onde que eles tiram essas idéias para desenvolver seus desenhos, filmes e séries, essas figuras desses heróis e vilões? Digamos, que eles são um tanto estranhos e bizarros, analise e vê se você concorda comigo:
Nacional Kid, Ultraman, Ultraseven, Jaspion, Naruto, Robô Gigante, Power Ranger, Changeman, Seven Boys, não, desculpe esse é marca de pão e mais um monte de outros monstros e heróis espalhados pelas tvs, revistas, etc, o que acha?
Olha só os nomes de alguns desses personagens :
Kurini, Goku, Gohan, Giráia, etc, e que dizer dos desenhos em mangás ? O que me impressiona também são os poderes que inventaram para esses heróis e vilões, e os roteiros dessas histórias, de onde eles tiram essas idéias?
Tudo isso é muito louco, imagine o que acontece dentro da cabeça das crianças que crescem vendo isso, em que irão se transformar quando atingirem a idade adulta?
Ai se explica a necessidade da existência dos analistas, psicólogos, psiquiatras e dos centros de internação, com certeza muita coisa começa lá na infância com elas vendo isso.
Quando eu era pequeno já existiam esses filmes, tinha um tal de Nacional Kid, ele era um homem comum que se transformava nesse tal de Nacional Kid e defendia os terráqueos dos incas venuzianos que vinham do espaço e também dos seres que vinham do fundo do mar das regiões abissais, olha essa imagem e vê se consegue ficar sério, não ri não que a coisa agora tá pior.
Isso era uma coisa tosca, o pior é que a gente gostava, isso entra no cérebro da gente e vai comendo tudo, naquela época tinha muita merda na tv, e também não se tinham muitas opções de programações e qualquer coisa que aparecia na telinha magica era bem vinda.
E a roupa desses heróis então, com cores ofuscantes, fosforescentes, é mais ou menos um Village People japonês, e os "monstros", os inimigos dos heróis, tem de tudo quanto é tipo, de tudo quanto é gosto, tem mistura de barata gigante com polvo, tem mistura de besouros com lobo mau, tem mistura de peixe com o Marquito, tem mistura prá avariado mental nenhum botar defeito.
Se agora são criadas essas séries japonesas com personagens com essas características, imagine como serão eles daqui uns quinze ou vinte anos, já parou para pensar nisso? O que será das cabeças das crianças japonesas e do resto do mundo que serão futuras consumidoras dessas aberrações?
Só o futuro dirá! Por enquanto, como diz aquele meu velho amigo, filósofo, poeta e "comedor" de bonecas infláveis, o João :

- O Bagúio é "roco né" !